Home Sem categoria A Rússia calculou mal nos confrontos recentes entre o Azerbaijão e a...

A Rússia calculou mal nos confrontos recentes entre o Azerbaijão e a Armênia?

Autor

Data

Categoria

A Rússia intermediou o fim dos combates em Nagorna-Karabakh na semana passada, em um acordo que fará com que muitos armênios deixem suas casas e áreas entregues ao Azerbaijão. É uma derrota humilhante para a Armênia, o oposto do que aconteceu na década de 1990, quando a Armênia derrotou o Azerbaijão na mesma área disputada. Para a Rússia, é um ponto de prestígio. Na terça-feira, a mídia russa TASS disse que Moscou estava enviando 64 peças de equipamento militar para seu soldados da paz que estão sendo implantados. A Rússia se comportou durante todo o conflito como se tivesse outras questões importantes com que lidar. Um grupo naval egípcio estava programado para chegar em meados de novembro. A Turquia estava testando os S-400 da Rússia. O sul do Cáucaso não é a prioridade. Isso surpreenderia muitos que acreditavam que a Rússia estava profundamente investida na Armênia e a viam como uma aliada. Vozes pró-Azerbaijão, incluindo lobistas pró-turcos em Washington, celebraram a guerra contra os armênios alegando que derrotar a Armênia seria um revés para a Rússia e o Irã. Ainda assim, o Irã apoiou as reivindicações do Azerbaijão sob a lei internacional e a Rússia basicamente manteve a mesma opinião. Enquanto a luta ficou confinada a Nagorna-Karabakh, que deveria ser uma área autônoma sob o controle do Azerbaijão, não foi um revés para Moscou. Defender a Armênia é ostensivamente parte dos interesses estratégicos da Rússia. Ela lançou um enorme exercício militar surpresa em fevereiro de 2016 e julho de 2020 no sul da Rússia para mostrar seu poder. Os exercícios de Kavkaz também envolveram a Armênia em setembro de 2020. Bielo-Rússia, China, Irã, Paquistão e Mianmar estiveram envolvidos. Além disso, existe a Organização do Tratado de Segurança Coletiva (CSTO) que foi formada em 1992 com vários estados pós-soviéticos, como Armênia, Rússia e Cazaquistão. Mas este não é o Pacto de Varsóvia, e a Rússia não sentiu a necessidade de defender os armênios em Nagorna-Karabakh, apenas a Armênia dentro de suas fronteiras internacionais. Por que não? Alguém poderia supor que a Rússia, que sob o presidente Vladimir Putin expandiu rapidamente suas forças armadas e melhorou suas capacidades, defenderia uma pequena e pobre Armênia cristã contra uma ofensiva do Azerbaijão apoiada pela Turquia. E a Rússia tem capacidade para o fazer. O ex-comandante aerotransportado russo Vladimir Shamanov disse há sete anos, de acordo com um relatório da RIA Novosti, que as tropas aerotransportadas russas poderiam ser transportadas rapidamente para lugares como Ossétia do Sul ou Armênia.
ENTÃO, POR QUE Nagorna-Karabakh não foi visto como semelhante à Abkhazia, que a Rússia defendeu na guerra de 2008 com a Geórgia? Por que não foi como o Donbass e a Crimeia, que a Rússia defendeu, e no segundo caso anexado, em 2014? Não é nem mesmo a Transnístria, aparentemente. Entender o porquê é tentar entender a atual postura geopolítica da Rússia. Moscou vê o Cáucaso como parte de sua esfera histórica de influência, mas aparentemente não vê a guerra do Azerbaijão como um dano a essa influência. Ela acredita que pode negociar um acordo com as forças de paz e continuar sendo o principal ator, com Baku e Yerevan contando com isso. No passado, a Rússia recusou-se a países em sua esfera em busca de apoio ocidental. Quando a guerra estourou em setembro, muitos especialistas disseram que Moscou estava descontente com o primeiro-ministro armênio Nikol Pashinyan. Moscou lembrou que havia chegado ao poder após a “Revolução de Veludo” de 2018 e que criticava o papel de Moscou na Armênia. Em suma, ele havia dito no passado, segundo relatos, que a Armênia era tratada como uma espécie de vassalo, uma relação com Moscou de “orador e ouvinte” – e a Armênia deveria ouvir. Ele também se opôs ao papel da Armênia na União Econômica da Eurásia, um pacto econômico liderado pela Rússia e incluindo Bielo-Rússia e Cazaquistão, acreditando que a soberania da Armênia estava sendo corroída. No entanto, a Armênia não estava em posição de fazer muitas mudanças. Imprensado entre a hostil Turquia e o Azerbaijão – e com um Irã que não ajuda e também sob sanções, e uma Geórgia que não o apoiou profundamente – o país não tinha opções reais. Não podia contar com o Ocidente porque a era da expansão ocidental havia acabado. Os EUA não se importavam mais em proteger países como a Armênia. E a Turquia, embora seja hostil aos EUA, é um membro da OTAN – e a Armênia não se aproximaria da OTAN com um vizinho tão hostil e o Azerbaijão buscando uma relação mais estreita com os EUA e a OTAN. Como tal, a Armênia não era apenas forçado a depender da Rússia, mas havia um poderoso grupo de pessoas implantado pela Turquia para animar uma guerra contra a Armênia e fingir que era na verdade uma guerra que prejudicaria a Rússia e os interesses do Irã. A Armênia foi forçada a uma posição trágica, por vozes nos Estados Unidos próximas ao governo Trump, de ser sacrificada como o último grito de uma política destinada a apaziguar a Turquia e confrontar o Irã destruindo a vida de alguns milhares de armênios.
MAS A RÚSSIA não acreditou nisso. Moscou acreditava que seu papel no final seria atacar e tratar os países em disputa como crianças. Ele viu isso como uma espécie de ação policial. A Rússia já fez isso antes na Síria e na Líbia: ela se move e parece encerrar os combates e cria uma tênue paz fria ou conflito congelado. Isso aconteceu quando a administração Trump criou o caos no leste da Síria por meio de uma retirada em outubro de 2019. Essa decisão de Trump também foi impulsionada pelas mesmas vozes pró-Ancara em Washington, alegando que as Forças Democráticas da Síria – parceiros dos EUA no leste da Síria que derrotaram o ISIS – foram de alguma forma uma sobra da política pró-Irã do governo Obama. Como os armênios foram forçados a pagar o preço por uma ligação mítica com o Irã, os curdos também foram sacrificados. A Rússia não vê a região dessa maneira; não viu a derrota dos combatentes da Armênia em Artsakh como um revés. Ele parecia ter esperança de ensinar uma lição a Yerevan: depender de Moscou e nos escutar, ou mais disso acontecerá. O exército da Armênia se mostrou terrivelmente incapaz de enfrentar o moderno exército de Baku, que está enfeitado com drones, alguns fornecidos por Israel e outros por Peru. Isso deveria ser humilhante para a indústria de armamentos da Rússia, o fato de não poder fornecer à Armênia as armas certas. Mas Moscou já se mostrou cínica a esse respeito antes, permitindo que a Turquia punisse as forças de Assad em fevereiro de 2020, antes que a Rússia invadisse áreas próximas a Aleppo e Idlib para interromper o conflito. Este é o modelo russo.
PUTIN TEM velhas memórias da humilhação da Sérvia nas Guerras Balcânicas dos anos 1990. Ele prometeu refazer a Rússia como uma potência massiva e força do projeto em meio ao caos desencadeado pela retirada dos EUA de áreas do mundo e o isolacionismo de Trump. No entanto, isso tem um custo. Moscou está disposta a permitir que algumas áreas de países sejam sacrificadas, pelo que considera um bem maior. É por isso que ataques aéreos podem caçar elementos iranianos no sul da Síria, enquanto Moscou afirma que enviará S-300 para a Síria em 2018. Moscou acredita no longo prazo. Esse jogo é uma política externa consistente e confiável baseada no modelo de Clausewitz de política após assuntos militares. Acredita na energia como arma de política e vendas militares ao exterior. Para Moscou, a Turquia é um prêmio maior do que a Armênia. Ancara está se movendo em direção à aliança autoritária de Teerã, Moscou e Pequim, e esse é o objetivo maior. Rússia quer enfraquecer a Europa mais do que já está enfraquecido e encoraja o isolacionismo dos EUA. E se chegar lá significa que alguns milhares de pessoas fugiram de Nagorna-Karabakh e agora a Armênia está ainda mais dependente de Moscou, então a Rússia pensa que venceu. Afinal, não há mais humilhações como a Guerra do Kosovo e a batalha por Grozny nos anos 1990. Agora a Rússia pode esperar; o tempo está a seu lado, ele pensa. Cometeu um erro ao esperar muito tempo e não forçar um cessar-fogo em outubro com a Armênia e o Azerbaijão? Parece que pode pensar que é o parceiro sênior da Turquia, mas que as ambições de Ancara são maiores e pode descobrir que mimar Ancara constantemente permitiu que a Turquia fizesse com a Rússia o mesmo que fez com os EUA: rodeie-os enquanto fingindo ser amigo de ambos. O problema é que Moscou e Washington competem pelo afeto de Ancara, enquanto a Turquia se considera igual a ambos. Este é o problema em que Moscou se meteu agora no Cáucaso. Ele pensa que venceu enfraquecendo a Armênia. Mas, a longo prazo, pode não perceber que perdeu um pouco de prestígio por não ficar ao lado de Yerevan. A Rússia prefere que seus parceiros sejam fracos e subservientes. É por isso que as repúblicas do Donbass, pobres e incapazes, como a Abkhazia e outras áreas, são preferidas. Mas isso não aumenta a força da Rússia; significa que tem que sustentar um monte de países pobres. A Turquia preferiu um Azerbaijão forte, enquanto a Rússia preferiu uma Armênia fraca. O tempo dirá se a Rússia jogou bem esse conflito.

Fonte: https://www.jpost.com/international/did-russia-miscalculate-in-recent-azerbaijan-armenia-clashes-649357

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Artigos recentes

Bebê morre afogado em batismo da Igreja Católica Ortodoxa

Contando com cerca de 250 milhões de fiéis no mundo, presentes principalmente na Europa Oriental, em países como Rússia, Romênia e Ucrânia, a Igreja...

Governo do Reino Unido está pensando em bater nas portas de vacinas de refusniks

O governo do Reino Unido está considerando um plano para enviar funcionários do conselho para bater nas portas daqueles que se recusaram a tomar...

Rompendo com a tradição católica, o papa indica a primeira mulher para um cargo sênior

CIDADE DO VATICANO, Santa Sé - O Papa Francisco rompeu com a tradição católica ao nomear uma mulher como subsecretária do sínodo dos bispos,...

Vacinação desacelerou em 50%, lamenta oficial, culpando ‘notícias falsas’ online

Mesmo que as vacinas estejam agora sendo oferecidas a todos os israelenses com mais de 16 anos, o ritmo das vacinações diminuiu drasticamente, disse...

‘Devíamos nos teletransportar, não dirigir’, diz Zuckerberg

O fundador e CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, acredita que o gigante da mídia social está prestes a transformar a maneira como as pessoas...