Home Sem categoria Centenas de médicos desiludidos deixam o Líbano, em um golpe na saúde

Centenas de médicos desiludidos deixam o Líbano, em um golpe na saúde

Autor

Data

Categoria

Fouad Boulos voltou para Beirute em 2007 dos Estados Unidos, onde se formou em patologia e medicina laboratorial. Ele estava tão confiante de que o Líbano era o lugar certo para estar que desistiu de seu green card de residência nos Estados Unidos.

Quatorze anos depois, ele está deixando sua terra natal com sua esposa e cinco filhos e retornando aos Estados Unidos para tentar a sorte começando do zero.

No ano passado, o Líbano passou por uma revolta popular contra seus líderes políticos, a falência do estado e do sistema bancário, uma pandemia de COVID-19 e, em agosto, uma grande explosão no porto que destruiu partes de Beirute.

Alguns dos que podem deixar o país o fizeram, e um número crescente deles são médicos e cirurgiões, muitos no topo de sua profissão. Com eles, vai a orgulhosa reputação de Beirute como a capital médica do Oriente Médio.

“Este é um êxodo em massa”, disse Boulos, Professor Associado de Patologia Clínica e Medicina Laboratorial da Universidade Americana de Beirute (AUB).

“Isso vai continuar”, disse ele à Reuters. “Se eu tivesse esperança, teria ficado, mas não tenho esperança – nem no próximo nem no futuro intermediário – pelo Líbano.”

Enquanto ele falava em sua residência nas montanhas em Beit Mery, uma área florestal com vistas deslumbrantes de Beirute, sua esposa ajudou a empacotar seus últimos pertences, pronta para retornar aos Estados Unidos.

Malas alinhadas no corredor, e uma de suas filhas estava online se despedindo de amigos da escola e de sua professora.

“Isso parte meu coração. Foi a decisão mais difícil que já tive que tomar, deixando tudo para trás”, acrescentou Boulos.

Muitos médicos altamente qualificados, que eram procurados nos Estados Unidos e na Europa antes de retornarem ao Líbano após a guerra civil de 1975-90, estão jogando a toalha, tendo perdido a esperança em seu futuro.

Eles não estão apenas vendo os salários caírem, mas também enfrentam a escassez de equipamentos, pessoal e até mesmo alguns suprimentos básicos em seus hospitais, pois o Líbano fica sem divisas para pagar as importações.

TALENTO DE SANGRAMENTO

Sharaf Abou Sharaf, chefe do sindicato dos médicos, disse que a saída de 400 médicos até agora neste ano cria um grande problema, especialmente para os hospitais universitários onde eles praticam e ensinam.

“Este sangramento de talentos não é um bom presságio, especialmente se a situação durar muito e houver outros se preparando para partir”, disse ele.

O ministro interino da Saúde, Hamad Hassan, concordou.

“A experiência deles foi construída ao longo de muitos anos e é muito difícil perder da noite para o dia. Precisaremos de muitos anos para retornar o setor médico à sua antiga glória”, disse ele à Reuters.

Os protestos que eclodiram no ano passado e derrubaram o governo aumentaram a esperança de que políticos, selecionados por um sistema no qual líderes de seitas cristãs e muçulmanas dividiam os cargos principais, pudessem ser afastados.

Então veio a explosão de 4 de agosto, quando grandes quantidades de nitrato de amônio mal armazenado explodiram, matando 200 pessoas, ferindo 6.000, deixando 300.000 desabrigadas e destruindo grandes partes da capital Beirute, incluindo vários hospitais.

“A explosão foi o último prego no caixão”, disse Boulos.

“Cristalizou todos os medos, toda a dor e todas as dificuldades que estávamos vivendo”, acrescentou o médico, que estudou na Vanderbilt University em Nashville, Tennessee.

‘CORRUPTO AO NÚCLEO’

Boulos disse que perdeu a fé na liderança do país, após anos de instabilidade causada por disputas políticas.

O libano é corrupto ao centro “, disse ele, ecoando os gritos de milhares de manifestantes que lotaram as ruas da cidade durante o ano passado.

O país também teve que lidar com o influxo de mais de um milhão de sírios que fogem da guerra civil, uma economia que se dobrou sob o peso da dívida, do desemprego em massa, da pobreza e, mais recentemente, da pandemia do coronavírus.

Na terça-feira, o Líbano ordenou um bloqueio nacional por cerca de duas semanas para conter a propagação do vírus, conforme as unidades de terapia intensiva atingiram a capacidade crítica.

Hassan, o ministro interino da saúde, disse que um acordo foi alcançado com o banco central para alocar fundos para a instalação de hospitais privados Asas COVID-19 e que o estado pagaria taxas hospitalares durante os primeiros seis meses de 2020.

O governo há anos devia a hospitais em atraso e suas contas não pagas estão aumentando.

Ghazi Zaatari, Reitor Associado para Assuntos do Corpo Docente e Presidente do Departamento de Patologia e Medicina Laboratorial da AUB, disse temer que o êxodo se acelere.

“Nos últimos 10 anos, colocamos muito esforço para recrutar cerca de 220 membros do corpo docente e agora é muito desanimador ver que muitos dos que contratamos estão saindo novamente.”

Os médicos no Líbano, embora relativamente bem pagos, geralmente ganham menos do que no exterior.

No ano passado, eles viram a renda real cair devido à desvalorização de 80% da moeda.

O ministro interino da saúde disse que o estado está buscando ajuda internacional para aumentar os salários depreciados dos médicos e diminuir o êxodo.

Mas tanto Boulos quanto Zaatari disseram que dinheiro não era o principal problema.

“O dinheiro é um problema, mas essa falta de confiança na liderança política (para) um futuro seguro e de sucesso é um fator enorme”, disse Zaatari.

“Eu sou um daqueles que voltou em meados dos anos 90 acreditando que havia uma promessa de um futuro melhor e um plano de reconstrução, apenas para descobrir que 20 anos depois tudo estava desmoronando e as promessas eram falsas. Fomos muito roubados Tempo.”

Fonte: https://www.jpost.com/international/hundreds-of-disillusioned-doctors-leave-lebanon-in-blow-to-healthcare-648873

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Artigos recentes

Bebê morre afogado em batismo da Igreja Católica Ortodoxa

Contando com cerca de 250 milhões de fiéis no mundo, presentes principalmente na Europa Oriental, em países como Rússia, Romênia e Ucrânia, a Igreja...

Governo do Reino Unido está pensando em bater nas portas de vacinas de refusniks

O governo do Reino Unido está considerando um plano para enviar funcionários do conselho para bater nas portas daqueles que se recusaram a tomar...

Rompendo com a tradição católica, o papa indica a primeira mulher para um cargo sênior

CIDADE DO VATICANO, Santa Sé - O Papa Francisco rompeu com a tradição católica ao nomear uma mulher como subsecretária do sínodo dos bispos,...

Vacinação desacelerou em 50%, lamenta oficial, culpando ‘notícias falsas’ online

Mesmo que as vacinas estejam agora sendo oferecidas a todos os israelenses com mais de 16 anos, o ritmo das vacinações diminuiu drasticamente, disse...

‘Devíamos nos teletransportar, não dirigir’, diz Zuckerberg

O fundador e CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, acredita que o gigante da mídia social está prestes a transformar a maneira como as pessoas...