Home Sem categoria Ministério da Saúde pode recomendar lei de vacina contra coronavírus obrigatória

Ministério da Saúde pode recomendar lei de vacina contra coronavírus obrigatória

Autor

Data

Categoria

O Ministério da Saúde pode recomendar legislação exigindo que os cidadãos israelenses recebam uma vacina contra o coronavírus assim que estiver disponível, de acordo com Yediot Aharonot.

A possível recomendação foi discutida em reunião na semana passada pela equipe que assessora o ministério sobre epidemias.

“Devem ser elaborados planos processuais e de incentivos legais para a população a ser vacinada e a obrigação de vacinação examinada na legislação”, diz o resumo do encontro, segundo o jornal.

A medida visa superar as hesitações de partes do público contra a vacinação. Muitos israelenses podem não querer tomar a vacina quando ela for lançada pela primeira vez.

A equipe expressou preocupação no passado sobre os israelenses não estarem dispostos a vacinar e recomendou uma série de medidas, incluindo o aumento da educação pública sobre o assunto.

“Em princípio, o Estado de Israel se abstém até hoje de exigir qualquer vacina na legislação”, disse o advogado Adi Niv-Yagoda Yediot Aharonot. “Existem muitas operações informativas sobre a importância da imunização para estabelecer confiança nas vacinas que o estado oferece e recomenda, e o resultado é que a taxa de imunização aqui é uma das mais altas do mundo em vacinas de rotina”.

“Uma obrigação na legislação de se vacinar, ao contrário da vontade do indivíduo, constitui uma violação fatal dos direitos e liberdades fundamentais do indivíduo”, acrescentou Niv-Yagoda, explicando que tais ferramentas legislativas são ineficazes.

“Não vemos pessoas amarradas para serem vacinadas, por isso não se aplica uma lei desse tipo”, disse o advogado. “A maneira de alcançar uma alta cobertura de imunização é por meio de advocacy e construção de confiança entre o governo e o público”.

O diretor-geral do Ministério da Saúde, Prof. Hezi Levy, disse à Ynet na terça-feira que “gostaria de fazer avançar uma lei como esta e exigir que as pessoas para as quais não há risco de saúde sejam vacinadas”.

“Não acredito que haja alguém que não queira, mas no momento não existe essa lei”, acrescentou Levy. “Estamos em discussão com a assessoria jurídica sobre o assunto e estamos vendo se tem como exigir isso; atualmente não existe. Por causa do modelo dessa praga, é preciso encontrar uma forma de obrigar as pessoas a seja vacinado. “

Os especialistas da associação Midaat pediram ao governo que adote um projeto de lei proposto pela associação para incentivar a vacinação, fornecendo informações adequadas ao público e sendo transparente sobre os dados da vacina.

Madat recomendou que o governo enfatizasse a importância da vacinação sem forçar os cidadãos a vacinar.

Um projeto de lei proposto pela Midaat oferece uma ampla solução baseada na criação de mensagens personalizadas e acessíveis para o público, com ênfase na medicina comunitária e transparência sobre os dados da vacina.

“O projeto de lei enfatiza a importância da informação direta e do contato direto com o público israelense em geral e com os pais em particular, a fim de remover preocupações que muitas vezes surgem de rumores infundados ou da falta de conhecimento suficiente do campo”, disse Midaat à imprensa declaração.

A lei já foi aprovada em primeira leitura no Knesset. Midaat, uma associação sem fins lucrativos, trabalha para educar o público israelense para ajudá-lo a encontrar as informações médicas necessárias, identificar riscos à saúde e se proteger desses riscos.

Menos de três em cada quatro pessoas (73%) concordariam em receber uma vacina COVID-19 se ela fosse lançada, descobriu uma pesquisa do Fórum Econômico Mundial (WEF) e da Ipsos.

Em setembro, uma pesquisa realizada pelo Assuta Medical Centers em conjunto com a Midgam descobriu que cerca de 20% dos israelenses não pegue uma vacina contra o coronavírus se aprovada para uso
Autoridades israelenses afirmaram na segunda-feira que estão em negociações avançadas com a gigante biofarmacêutica Pfizer Inc., após a empresa anunciar seu vacina candidata foi considerado pelo menos 90% eficaz.

O ministro das Finanças, Israel Katz, também disse na segunda-feira que o país pediu ao governo dos EUA para ajudá-lo a ter acesso à potencial vacina contra o coronavírus da Pfizer. Ele disse que havia discutido a vacina durante conversas com o secretário do Tesouro dos EUA, Steve Mnuchin.

Na semana passada, Israel deu início ao teste em humanos do Brilife, sua vacina candidata contra o coronavírus desenvolvida pelo Instituto de Pesquisa Biológica de Israel.

Tamar Beeri e Maayan Jaffe-Hoffman contribuíram para este relatório.

Fonte: https://www.jpost.com/israel-news/health-ministry-may-recommend-mandatory-coronavirus-vaccine-law-648604

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Artigos recentes

Bebê morre afogado em batismo da Igreja Católica Ortodoxa

Contando com cerca de 250 milhões de fiéis no mundo, presentes principalmente na Europa Oriental, em países como Rússia, Romênia e Ucrânia, a Igreja...

Governo do Reino Unido está pensando em bater nas portas de vacinas de refusniks

O governo do Reino Unido está considerando um plano para enviar funcionários do conselho para bater nas portas daqueles que se recusaram a tomar...

Rompendo com a tradição católica, o papa indica a primeira mulher para um cargo sênior

CIDADE DO VATICANO, Santa Sé - O Papa Francisco rompeu com a tradição católica ao nomear uma mulher como subsecretária do sínodo dos bispos,...

Vacinação desacelerou em 50%, lamenta oficial, culpando ‘notícias falsas’ online

Mesmo que as vacinas estejam agora sendo oferecidas a todos os israelenses com mais de 16 anos, o ritmo das vacinações diminuiu drasticamente, disse...

‘Devíamos nos teletransportar, não dirigir’, diz Zuckerberg

O fundador e CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, acredita que o gigante da mídia social está prestes a transformar a maneira como as pessoas...