Home Sem categoria "Não podemos viver com medo": alunos franceses lembram professor assassinado

“Não podemos viver com medo”: alunos franceses lembram professor assassinado

Autor

Data

Categoria

PARIS – Escolas de toda a França mantiveram um minuto de silêncio na segunda-feira em memória de Samuel Paty, o professor decapitado por um adolescente checheno que queria vingar o uso de desenhos animados zombando do Profeta Maomé durante uma aula sobre liberdade de expressão.

Com a França em seu nível de segurança mais alto após novos ataques desde a morte de Paty em 16 de outubro, cerca de 12 milhões alunos voltou à escola pela primeira vez desde que o jovem de 47 anos foi morto em plena luz do dia, na véspera de um feriado escolar de duas semanas.

O presidente Emmanuel Macron classificou o assassinato como um ataque aos valores franceses e à própria República. Mas sua insistência de que a França não comprometerá as liberdades básicas de crença e expressão provocou protestos entre os muçulmanos em todo o mundo.

“A ideia do terrorismo é criar ódio”, escreveu Macron em uma mensagem para crianças em idade escolar nas redes sociais. “Nós vamos superar isso juntos.”

Em todo o país, os alunos permaneceram em silêncio às 11 da manhã enquanto os professores eram instruídos a dar tempo para responder às perguntas sobre o assassinato de Paty.

“Meus alunos precisavam descarregar o que estavam em suas mentes”, disse Isabelle Leborgn, uma professora do ensino médio no oeste da França.

O ataque e o exame de consciência nacional que se seguiram confundiram muitos jovens, disse ela. “Alguns pensam que é culpa de uma religião. Há muitas coisas sobre as quais refletir.”

O ataque a Paty, bem como um em uma igreja em Nice e outro contra um pregador em Lyon nas duas semanas que se seguiram, deixou a França no limite. O governo disse que mais ataques são prováveis.

“Está sempre na sua cabeça que vivemos em uma sociedade onde existe um risco potencial”, disse Clement, aluno da escola onde Leborgn leciona. “Mas nem sempre podemos viver com medo.”

“ELES ESTÃO TENTANDO NOS DIVIDIR”

A França enviou soldados extras para proteger locais de culto e escolas após os recentes ataques.

O assassinato macabro de Paty convulsionou a França secular, onde a separação entre Igreja e Estado é ferozmente defendida por muitos cidadãos de todas as religiões. Também expôs as linhas de falha que dividem um país onde alguns muçulmanos veem o uso de leis seculares pelo governo como uma ferramenta para suprimir sua expressão de crença religiosa.

Um grupo de líderes muçulmanos divulgou na segunda-feira uma declaração defendendo a adesão estrita da França ao secularismo – conhecido como laicita – e condenando a violência praticada em nome do Islã.

“Laicite é essencial para permitir que diferentes religiões, incluindo o Islã, floresçam na França”, disseram os líderes. Eles denunciaram aqueles que, segundo eles, manipularam outros muçulmanos, fazendo-os acreditar que estavam sofrendo nas mãos de um Estado racista.

“Essas pessoas estão tentando nos dividir e costurar a discórdia”, continuaram.

Fonte: https://www.jpost.com/international/we-cannot-live-in-fear-french-pupils-remember-murdered-teacher-647785

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Artigos recentes

Bebê morre afogado em batismo da Igreja Católica Ortodoxa

Contando com cerca de 250 milhões de fiéis no mundo, presentes principalmente na Europa Oriental, em países como Rússia, Romênia e Ucrânia, a Igreja...

Governo do Reino Unido está pensando em bater nas portas de vacinas de refusniks

O governo do Reino Unido está considerando um plano para enviar funcionários do conselho para bater nas portas daqueles que se recusaram a tomar...

Rompendo com a tradição católica, o papa indica a primeira mulher para um cargo sênior

CIDADE DO VATICANO, Santa Sé - O Papa Francisco rompeu com a tradição católica ao nomear uma mulher como subsecretária do sínodo dos bispos,...

Vacinação desacelerou em 50%, lamenta oficial, culpando ‘notícias falsas’ online

Mesmo que as vacinas estejam agora sendo oferecidas a todos os israelenses com mais de 16 anos, o ritmo das vacinações diminuiu drasticamente, disse...

‘Devíamos nos teletransportar, não dirigir’, diz Zuckerberg

O fundador e CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, acredita que o gigante da mídia social está prestes a transformar a maneira como as pessoas...