Home Categorias do Site Geral Trump revelou-se o oposto de 'Hitler'

Trump revelou-se o oposto de ‘Hitler’

Autor

Data

Categoria

Durante a campanha de 2016, muitos na esquerda previram que Trump seria o próximo Adolf Hitler – se não o maníaco genocida que começou guerras mundiais e se envolveu no genocídio, pelo menos uma versão do Hitler-Lite.

Foi uma afirmação chocante, mas ganhou cada vez mais popularidade à medida que a campanha se intensificava.

Como exemplo foi um coluna publicado no New Jersey Jewish Standard, onde sou colunista, me atacou, em março de 2016, pelo Rabino David-Seth Kirshner. Depois de se envolver nos ataques ad hominem habituais contra mim por chamar aqueles que chamam de Trump Hitler, Kirshner escreveu: “Onde eu brigava com aqueles como Rabino Boteach, quando exatamente é o momento de preocupação que oficialmente nos permite soar o alarme? Deve-se primeiro matar 6 milhões de almas judias para ser classificado como ‘Hitler?’ ”

A partir daí, a cacofonia de Trump como ditador, Trump como maníaco genocida e Trump como uma forma americana de Hitler só aumentou.

HBO exibiu sua série A conspiração contra a América, baseado no romance de Philip Roth com o mesmo título, que prevê o anti-semita Charles Lindberg se tornando uma versão nazista de um presidente americano durante a Segunda Guerra Mundial. Muitos interpretaram o momento como uma mensagem de que era exatamente o que aconteceria com Donald Trump.

Recentemente, o rabino Yitz Greenberg teve muitos problemas com a esquerda judaica por declarar que os judeus tinham uma dívida de gratidão para com Donald Trump. Tal é o estado de nossas divisões que mesmo quando um rabino respeitado e liberal simplesmente invoca os valores judaicos e diz que deveríamos ter algum “hakarat hatov”, gratidão, por tudo que Trump fez por Israel, ele é ferozmente atacado.

Greenberg nunca disse que os judeus deveriam votar em Trump e nem mesmo revelou em quem ele votaria. Em vez disso, ele simplesmente disse que os judeus deveriam sentir gratidão por um presidente que parou a demonização de Israel nos fóruns internacionais e forjou a paz entre Israel e um número crescente de estados árabes do Golfo.

Eu presumo que isso não funcionou bem com o público de “Trump é Hitler”, que tem sido tão vocal nos últimos quatro anos. Ao dizer obrigado a um homem que transferiu a Embaixada dos EUA para Jerusalém, reconheceu as Colinas de Golan, mudou o tenor em direção a Israel na ONU e, mais importante, nos tirou do Acordo com o Irã, é demais, demonizando-o como um monstro ainda é muito pequeno.

Meu propósito aqui não é dizer a ninguém como votar. Menos ainda é endossar qualquer candidato. Como rabino, nunca o fiz. Aqueles judeus ou outros que acreditam que Biden é seu melhor candidato – então, é claro, votem em sua consciência.

Em vez disso, minha intenção é defender aqueles que simplesmente dizem que mesmo que desejem votar contra Trump, eles ainda podem ser gratos por tudo que ele fez por Israel e pelo povo judeu, e pressionar contra aqueles que se rebaixam comparando Trump com Hitler ou qualquer outra comparação nazista.

Essas palavras vão além de nojentas, vis, vergonhosas, e já duram quatro anos. Portanto, é hora de avaliar se as implicações anteriores se materializaram, mesmo que remotamente.

Desde 2016, ouvimos que Trump se tornaria um ditador e sufocaria toda dissidência. Que ele iria desmantelar a democracia americana como a conhecemos. Que ele limitaria a liberdade de imprensa e reprimiria a expressão de sua oposição.

Realmente? Nenhum presidente na história americana foi mais odiado pelos principais órgãos de notícias que odeiam Trump. o New York Times na semana passada dedicou não apenas o editorial habitual rejeitando Trump e endossando Biden, mas uma seção inteira de editoriais pelejando Trump e abraçando Biden. Não há precedente para eles fazerem isso contra qualquer outro candidato.

Você sabe o que Trump pode fazer sobre isso? Nada. Zero. Ele não tem poder sobre a mídia.

A comédia no Showtime, Nosso Presidente do Cartoon, pelourinhos Trump todas as semanas como um idiota imbecil com excesso de peso. Os filhos e a família de Trump são ridicularizados sem piedade.

O que Trump pode fazer sobre isso? Mais do que recusar a assistir, nada. Sim, ele também pode chamar de “notícias falsas”. Mas é isso aí.

E a mídia também não tem medo dele, o que prova que ele não é ditador nem tirano. CNN, MSNBC e inúmeras outras organizações de notícias desafiam Trump de dentro da Casa Branca.

Ao contrário, seus inimigos da mídia foram encorajados por sua presidência e o difamam com gosto, o que é um direito deles, mas que também mina toda a alegação de que ele está desmantelando a democracia ou a liberdade de expressão.

O mesmo é verdade para os inimigos políticos de Trump, que marcham pelo país aos milhões, condenando-o nos termos mais fortes, com o presidente totalmente impotente para fazer uma única coisa a respeito. E porque? Porque as liberdades da América não murcharam nem um pouco durante a presidência de Trump.

Sim, a América está dividida. Sim, muitos americanos se odeiam tristemente. Mas sim, a América permanece absoluta e totalmente livre. Seria melhor se tivéssemos mais amor um pelo outro. E Obama contribuiu muito – assim como Trump – para as divisões na sociedade americana.

Obama forçou o acordo com o Irã e outras ações unilaterais goela abaixo do corpo político americano – com pouco apoio do Congresso – sabendo que isso poderia separar a nação. Mas ele fez isso de qualquer maneira.

Ambos os presidentes poderiam e deveriam ter feito mais para unir o país. Mas não vamos fingir que as falhas na América começaram com Donald Trump.

Eu nem deveria ter que dizer isso, mas a comparação nojenta e vil de Trump com Hitler menospreza o Holocausto e todo genocídio. Mas, além disso, é outro ato de ingratidão, mesmo por aqueles que têm o direito legítimo de não gostar do presidente por muitas de suas políticas que rejeitam.

Pois Trump, e não Obama, é o presidente que disparou duas vezes mísseis americanos contra o genocida Bashar Assad, da Síria, por matar crianças árabes com gás.

Trump é condenado por ser muito próximo de Putin. Eu gostaria que ele condenasse o tirano em termos mais fortes. Mas não esqueçamos que foi Obama quem entregou o problema do gás venenoso de Assad à Rússia e a Putin, aceitando a garantia do tirano de que desarmaria Assad de seus agentes nervosos, o que seria cômico se não fosse tão trágico.

E há o acordo com o Irã, onde o presidente Obama se recusou a confrontar o Irã sobre sua promessa para se tornar Hitler e aniquilar os seis milhões de judeus de Israel, para não mencionar trazer a morte para a América, o grande Satanás que apóia o pequeno Satanás judeu. Então, quem recompensou o Irã por suas repetidas promessas de provocar um segundo Holocausto, dando-lhes US $ 150 bilhões em ativos descongelados, muitos deles literalmente transportados em aviões de carga como dinheiro? Obama ou Trump? E quem, ao entrar no Salão Oval, impôs novas sanções ao Irã por suas ameaças de exterminar Israel, levando sua economia à ruína? Obama ou Trump?

Depois, há a comparação, feita pela AOC e outros, de que Trump construiu campos de concentração na fronteira sul. Ele é, portanto, Hitler. Outra comparação nojenta de virar o estômago.

Podemos condenar a separação de crianças e pais em centros de detenção na fronteira – uma prática que nunca deveria acontecer e foi rapidamente interrompida – embora nunca seja tão ofensiva a ponto de compará-la com o Holocausto, onde 10.000 judeus eram colocados em câmaras de gás todos os dias por três anos.

Comparar os agentes da fronteira americana à Gestapo é uma abominação. Comparar os agentes do ICE dos EUA com a SS é uma afronta aos 1,5 milhão de crianças judias que foram mortas com gás em Auschwitz, Treblinka, Sobibor e em tantos outros centros de morte. E comparar a América com a Alemanha nazista é uma afronta à lógica, aos valores e à decência. Isso deveria ofender todo americano.

O que os ataques de “Trump como Hitler” realmente expõem são os preconceitos e preconceitos – para não mencionar a amoralidade – de seus oponentes. Pois eles estão até preparados para banalizar os crimes sem precedentes e indescritíveis de Hitler, tudo em um esforço para demonizar Donald Trump.

E isso apenas mostra aonde todos nós chegamos, politicamente. Temos poucos valores preciosos restantes. Nós nos odiamos tanto que usamos apenas os exemplos mais extremos para ridicularizarmos uns aos outros.

É por isso que devemos voltar ao básico.

Os judeus que estão votando em Biden ainda podem, como disse o rabino Greenberg, mostrar gratidão e gratidão por tudo o que Trump fez por Israel e pelo povo judeu, enquanto ainda escolhe expulsá-lo do cargo.

Os judeus que votam em Trump ainda podem reconhecer as décadas de amizade de Biden com Israel e a comunidade judaica.

E os judeus que votam em Biden ainda podem deixar claro para ele que é melhor manter sua independência e não ser cooptado pela política anti-semita da extrema esquerda democrata, encabeçada por Ilhan Omar e Rashida Tlaib.

E os judeus da esquerda e da direita podem concordar que por quatro anos tem sido inspirador ver um presidente com uma filha judia, a quem ele ama muito, e genro, na Casa Branca que observa o sábado, luz as velas de Chanucá, leia a Meguilá de Purim e pressione seu pai para apoiar e proteger um povo e seu estado-nação, que acabou de enviar setenta anos atrás, foram assassinados aos milhões por um homem e um partido a quem nenhum humano deve ser comparado, exceto aos mulás iranianos que se vangloriam de seus projetos de copiar os nazistas e imitar Hitler.

Shmuley Boteach, “Rabino da América”, a quem o Washington Post chama de “o rabino mais famoso da América”, é o autor de best-sellers internacionais de 33 livros. Siga-o no Twitter e Instagram @RabbiShmuley.

Fonte: http://feedproxy.google.com/~r/breitbart/~3/949XlbUEo5w/

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Artigos recentes

Bebê morre afogado em batismo da Igreja Católica Ortodoxa

Contando com cerca de 250 milhões de fiéis no mundo, presentes principalmente na Europa Oriental, em países como Rússia, Romênia e Ucrânia, a Igreja...

Governo do Reino Unido está pensando em bater nas portas de vacinas de refusniks

O governo do Reino Unido está considerando um plano para enviar funcionários do conselho para bater nas portas daqueles que se recusaram a tomar...

Rompendo com a tradição católica, o papa indica a primeira mulher para um cargo sênior

CIDADE DO VATICANO, Santa Sé - O Papa Francisco rompeu com a tradição católica ao nomear uma mulher como subsecretária do sínodo dos bispos,...

Vacinação desacelerou em 50%, lamenta oficial, culpando ‘notícias falsas’ online

Mesmo que as vacinas estejam agora sendo oferecidas a todos os israelenses com mais de 16 anos, o ritmo das vacinações diminuiu drasticamente, disse...

‘Devíamos nos teletransportar, não dirigir’, diz Zuckerberg

O fundador e CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, acredita que o gigante da mídia social está prestes a transformar a maneira como as pessoas...